quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Soneto à tua falta (ou à tua volta)

Falta que me faz tanta Que a volta é nunca Que a dor é muita Que o tempo espanta Volta que eu tanto sofro Que eu fico frágil Que se tua volta é o meu naufrágio Que com tua falta eu sofro em dobro Falta que é sem remédio Que dá saudade Que eu peço volta Volta que é o meu remédio Que é a só vontade Que traz tua falta

Nenhum comentário:

Postar um comentário